Enjôo

Enjôo

 Enjôo da gravidez

Vômitos em bebês

 

A regurgitação de alimentos é normal em crianças bem pequenas, ao comerem muito. Mas quando há vômitos, recomendamos avaliação pediátrica. Pode haver rejeição ao leite de vaca ou leite maternizado, se for este o caso. Até o leite materno pode sofrer rejeição, o que é muito mais raro. Há possibilidade de distúrbios congênitos, alterações enzimáticas, perturbações bioquímicas e disfunções hepáticas.

Náuseas ou enjôos são sintomas de inúmeras disfunções. Às vezes são acompanhados de vômitos, o que geralmente indica tratar-se de problema mais sério, digno de melhor avaliação. Enjôos passageiros, durante viagens, resultam do padrão alterado de movimentos, ou da ingestão de alimentos não-usuais, sem implicações mais sérias. Sensação freqüente de enjôo, contudo, pode trazer à tona o diagnóstico de labirintite, úlcera gastroduodenal, verminose, problemas de vesícula, anemia, certas alterações neurológicas, má nutrição, e mesmo câncer. Pode prenunciar a gravidez, mormente nos primeiros meses.

Sensação súbita e intensa de enjôo pode revelar intoxicação por alimentos estragados, gastrenterite aguda, ou cólica de vesícula.

Interpreta-se esta condição como resultado de maior sensibilidade a alterações hormonais específicas da gravidez, ligadas à distensão de estruturas pélvicas, com estimulação de certos receptores nervosos do vômito.

Os naturistas acrescentam a essa teoria a necessidade crítica de desinto­xi­­­­cação, para uma gravidez tanto quanto possível sadia, livre de “toxinas” perigosas, o que é discutível.

Alimentação saudável e natural aliada à boa mastigação é às vezes suficiente para contornar o problema do fastio na gravidez. Para cada mulher, determinado conjunto de alimentos ou preparações será mais apropriado. Devem-se experimentar diferentes frutas, sucos e pratos de cereais, hortaliças e nozes.

Há mulheres que reagem muito bem a certos remédios tradicionais, como o suco de limão: tomar água com algumas gotas de suco de limão, ou cheirar freqüentemente a parte de dentro da casca da tangerina. Outras respondem favoravelmente ao uso de algumas sementes de abóbora tostadas com um pouco de sal marinho, depois das refeições.

Quando os vômitos são excessivos, há necessidade de melhor avaliação profissional, pois existe o risco de desidratação e desnutrição.

 

Sugestões naturais

O tratamento dependerá da causa do enjôo. Se for labirintite, ou se for mau funcionamento da vesícula, o tratamento variará. (Ver Labirintite).

Em linhas gerais, é preciso estudar cuidadosamente a alimentação. Adotar dieta leve, mastigar muito bem e comer pouco, por algum tempo, é, para a maioria das pessoas, suficiente. A causa de freqüentes enjôos pode residir nos excessos alimentares e no consumo de frituras e doces, que devem ser removidos. A deficiência de vitaminas também produz enjôo. Usar complexo B, ou alguns comprimidos de lêvedo de cerveja após as refeições.

Para tratar enjôos freqüentes, tomar aos goles duas xícaras, das de chá, de poejo com hortelã ao dia. Derramar duas xícaras de água fervente sobre uma colher, das de sopa, das ervas verdes picadas. Coar.

Chá amargo, como o de boldo-do-chile, carqueja ou losna, juntamente com erva-doce e espinheira-santa, tomado em pequenas quantidades (como 200ml), vagarosamente, ao longo do dia, ajuda a contrabalançar distúrbios de origem digestiva, aliviando o mal-estar. Derramar duas xícaras de água fervente sobre uma colher, das de sopa, das ervas verdes picadas. Coar.

Quando há queda de pressão, um pouco de sal sob a língua ou uma torradinha salgada aliviará o mal-estar, que pode incluir enjôo.

Parasitoses intestinais, como a giardíase, podem ocasionar náuseas. Nesse caso, é primordial tratar a causa.

Para tratar enjôos de viagens (cinetose), ver cinetose.

 

 


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.