Fígado, Doenças do

Fígado, Doenças do

 Geralmente o povo associa má digestão com mau funcionamento do fígado. Nem sempre essa relação é verdadeira. Em caso de má digestão, ver digestão, perturbações da.

Para outras doenças específicas do fígado, ver icterícia, hepatite, cirrose hepática, cálculos da vesícula etc.

O fígado é o maior órgão do corpo, situado do lado direito do abdome, logo abaixo do diafragma. É a principal “usina química” do organismo, funcionando como centro de armazenagem, fabricação e transformação de inúmeras substâncias, destinadas a diferentes setores da economia. Para tanto, recebe cerca de um quarto do volume de sangue arterial que sai do coração a cada batida, e o sangue das veias da região do intestino, que trazem o material absorvido do intestino, proveniente do processo digestivo. O fígado lida, portanto, com os nutrientes essenciais ao funcionamento de cada órgão, despachando-os conforme necessidade. É também capaz de destruir substâncias potencialmente tóxicas, eliminando-as pela bile, ou eliminando-as para ulterior excreção renal. Na função de estoque, por exemplo, guarda glicogênio, liberado na forma simples de glicose sempre que a glicemia baixa, num eventual aumento da demanda energética. Auxilia na manutenção do equilíbrio hormonal e, por extensão, de todas as substâncias circulantes e de todas as funções, contribuindo para a homeostasia (manutenção do meio interno constante).

Nenhum laboratório é tão complexo como esse. Muitas de suas reações ainda não são bem compreendidas.

O estilo de vida e a dieta do homem moderno massacram o fígado. Nossa alimentação fornece matéria-prima de má qualidade para proces­samento, carregada de produtos tóxicos de degradação. Por outro lado, há deficiência crônica de nutrientes necessários ao bom desempenho do laboratório hepático. A obesidade, tão comum hoje, é fator de sobrecarga também para o fígado.

Para prevenir males do fígado, recomenda-se alimentação saudável e balanceada, e estilo de vida que podemos chamar de “ecologicamente correto”.

O fígado geralmente consegue driblar a maioria dos abusos que a vida moderna lhe impõe, mantendo-se em estado de relativa estabilidade funcional.

Há, porém, doenças que afetam mais diretamente suas funções, como certas viroses e bacterioses, entre as quais hepatite, febre amarela e brucelose. A icterícia, ou derrame de bile no sangue (que produz amarelidão generalizada), indica que há alguma coisa perturbando o funcionamento hepático. Alguns parasitas podem transtornar o trabalho do fígado, como o esquistossoma mansoni, que se aloja na veia porta e congestiona a circulação local, e a ameba, que produz cistos hepáticos. Substâncias tóxicas, determinados medicamentos e venenos podem comprometer a saúde do fígado. O álcool é altamente tóxico para o fígado, podendo com o tempo ocasionar cirrose hepática, que é a destruição das células hepáticas. O câncer pode afetar o fígado, muitas vezes como resultado de metástase, constituindo uma das formas mais ameaçadoras dessa doença.

 

Você sabia?

Cardo-mariano (Silybum marianum)

É tradicionalmente indicado para combater doenças do fígado, do aparelho digestivo, e icterícia.

Modo de usar: Deixar ferver, por 5 minutos 2 colheres, das de sopa, das folhas em ½ litro de água quente. Coar e beber aos goles. Favorece principalmente a digestão de alimentos ricos em lipídios (gorduras).

No caso da icterícia, 1 colher, das de chá, de folha em 1 xícara de água quente. Cobrir e filtrar após 5 minutos. Beber 1 ou 2 xícaras por dia.


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.