ALECRIM-DE-JARDIM

ALECRIM-DE-JARDIM

ALECRIM-DE-JARDIM
(Rosmarinus officinalis, Rosmarinus hortensis, Rosmarinus latifolius).
 
 
FAMÍLIA: Labiadas.
 
OUTROS NOMES: Alecrim-romarinho, alecrim, libanotis.
 
DESCRIÇÃO: Subarbusto. Chega a mais de um metro de altura. Caule lenhoso. Folhas opostas cruzadas, sésseis, ensiformes, coriáceas, de bordas voltadas para baixo; verdes-escuras, lustrosas na face superior; esbranquiçadas, empubescidas na face inferior. Flores labiadas em pequenos cachos axilares e terminais. Cálice campanulado. Corola branca ou azulada. Carpelos obovais. Brácteas pequenas, brancas, tomentosas, lanceoladas, caducas. O fruto consiste em quatro aquênios obovais. Toda a planta exala um cheiro aromático forte e agradável.
 
USO MEDICINAL: As sumidades floridas têm aplicação nos seguintes casos: clorose, dismenorréia, dispepsia, debilidade cardíaca, escrofulose, febres tifóides, gases intestinais, histeria, inapetência, tosse.
 
DOSE: 15 gramas para 1 litro de água, por infusão; 4 a 5 xícaras por dia.
O decocto das folhas é usado, em loção, contra as chagas gangrenosas; em banhos, contra o reumatismo articular.
As folhas secas, reduzidas a pó, são boas para cicatrizar feridas.
As gotas do suco das folhas também são boas para o mesmo fim.
O chá também se usa, com bom resultado, para lavar feridas.

Para combater a sarna, prepara-se uma pomada tomando-se 10 partes de gordura vegetal para uma parte de suco de alecrim. 


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.