AÇOITA-CAVALO

AÇOITA-CAVALO

AÇOITA-CAVALO
(Luhea grandiflora).
 
FAMÍLIA: Tiliáceas.
 
OUTROS NOMES: Mutamba-preta, ivitinga, ivantiji, caa-abeti, papeá-guaçu.
 
DESCRIÇÃO: Árvore muito alta. Folhas grandes, obovais, claras. Flores grandes, brancas ou rajadas, dispostas em panículas terminais. Fruto redondo, oblongo, capsular, pentalocular. Sementes aladas. Os camponeses usam os galhos, que são muito flexíveis, para fazer chicotes e armações de cangalha. A madeira, de cor branco-amarelada, é usada na fabricação de coronhas de espingarda. Usa-se também para fabricar tamancos. As vergônteas são flexíveis e usadas para fazer vassouras. A casca é utilizada nos curtumes. Há uma variedade de açoita-cavalos, servindo todas para os mesmos fins industriais e medicinais. 
 
USO MEDICINAL: Emprega-se em casos de disenteria e hemorragia (banhos ou clisteres); também em casos de artrite, diarréia, leucorréia, reumatismo, tumores (chás).
Afirma conhecido autor:
 
“Acredita-se que o decocto da entrecasca... serve para combater a leucorréia. Para resolver tumores, limpar úlceras e feridas gangrenosas é excelente. Os vários empregos que as tílias têm na medicina, conhecem todos. Elas são empregadas contra cãibras, úlceras, queimadura, disenterias e uma infinidade de mazelas humanas”. – F.C. Hoehne, Plantas e Substâncias Vegetais Tóxicas e Medicinais, pág. 191.
 
PARTE USADA: Casca, por decocção.

 

                DOSE: Normal. 


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.