Vitamina B12 (cobalamina)

Vitamina B12 (cobalamina)

 Vitamina B12 (cobalamina)

 

Vitamina B12 – descoberta mais recente

Em 1934, W. V. Castle e colaboradores observaram sugestivas relações entre certo tipo de anemia e um determinado "fator extrínseco" encontrado na alimentação, também chamado "fator de maturação eritrocitária" e "fator antianemia perniciosa". A princípio, acreditava-se que esta substância era o ácido fólico, suposição logo desmentida por pesquisas que demonstraram a ineficácia desta vitamina no tratamento da anemia perniciosa. Em 1948, finalmente, pôde-se isolar do fígado outra substância, mais ativa no tratamento desta e de outras anemias macrocíticas, a que se denominou vitamina B12. Só em 1964, Hodgkin, Prêmio Nobel de química, definiu a forma estrutural da vitamina B12, consideravelmente complexa. Descobriu, por exemplo, que ela apresenta cobalto em sua composição, o que lhe dá uma coloração caracteristicamente vermelha.

 

Absorção, transporte e armazenamento

- A vitamina B12, ou "fator extrínseco", necessita de um "fator intrínseco" para ser absorvida. Este "fator intrínseco" é uma mucoproteína secretada pelo estômago, e que se combina à vitamina B12.

- No intestino delgado, mais especificamente no íleo, o complexo vitamina B12-fator intrínseco combina-se com certas células do epitélio, e é absorvido. O cálcio é necessário a este processo.

- Parte do complexo B12-FI é absorvido passivamente por simples difusão, processo que pode levar várias horas, ao contrário da rápida absorção das demais vitaminas hidrossolúveis.

- Quando liberada à corrente sangüínea, a cianocobalamina é ligada à transcobalamina, proteína transportadora, e assim é transpor¬tada aos tecidos.

- As porções excedentes de vitamina B12 são veiculadas ao fígado para armazenamento.

 

Sinais e sintomas de carência

Quando há deficiência de vitamina B12, ocorre defeito na divisão celular, ocasionado pelo não emparelhamento da molécula do DNA, o que resulta em anemia megaloblástica macrocítica. A ileíte regional, a síndrome de má-absorção, a gastrectomia e a atrofia do estômago, com conseqüente diminuição da produção do fator intrínseco, necessário à absorção da vitamina B12, provoca estes mesmos sintomas. A anemia megaloblástica é acompanhada de degeneração das colunas posteriores e laterais da medula espinhal, onde ocorre desmielinização. Saliente-se que esta anemia geralmente não é causada por carência alimentar, mas pela ausência do fator intrínseco, produzido no estômago, e por processos que dificultem a absorção da vitamina B12, como os retrocitados (ileíte, etc.). Em casos de cirurgia gástrica com ressecção de fundo e cárdia, e ressecção do íleo, os sintomas de carência podem manifestar-se vários anos após a intervenção cirúrgica, já que nesse ínterim o organismo utiliza as reservas hepáticas.
Doenças autoimunes que atacam as células produtoras de fator intrínseco no estômago levam à anemia perniciosa. Mais recentemente pôde-se, portanto, diferenciar a anemia megaloblástica da perniciosa. Esta última se dá pela deficiência da própria vitamina B12 (ou de ácido fólico), enquanto a megaloblástica é provocada pela ausência do fator intrínseco, produzido no estômago, sem o qual a vitamina não é absorvida no íleo.

 

Hipervitaminose

Não foram registrados efeitos tóxicos por via alimentar. A adminis¬tração intramuscular pode provocar reações alérgicas, e doses excessi¬vas por esta via podem resultar em gota, provocada pela rápida maturação celular e pelo aumento da degradação de ácido nucléico.

 

Necessidades nutricionais

- Os requerimentos humanos de vitamina B12 são discutíveis em alguns aspectos. Pesquisadores sugerem que a síntese bacteriana é elevada por determinadas condições dietéticas, como a dieta vegetari¬ana, que, por ser pobre nesta vitamina, estimula indiretamente a produ¬ção da flora.

- O Food and Nutrition Council, não obstante, recomenda 3 microgramas diários para adultos.

- Durante a gestação e a lactação, são recomendados 4 mcg/dia.

- A FAO/OMS recomenda 2 mcg/dia a partir dos 10 anos; para as gestantes, é indicado o acréscimo de 1 micrograma, e, para as nutrizes, de 1/2 micrograma. Mais recentementemente, fala-se em 6 microgramas diários como uma dose mais apropriada.

 

Boas fontes alimentares

Leite e derivados, de preferência leite fresco e ovos. Os lacto-ovo-¬vegetarianos obtêm vitamina B12 destas fontes. Os não-vegetarianos obtêm-na de outros alimentos protéicos de origem animal. Os vegetarianos estritos devem usar levedura de cerveja enriquecida com vitamina B12 ou suplementos que contenham esta vitamina, adequadamente indicados.

 

Fatores de estabilidade e instabilidade

O leite, quando evaporado e pasteurizado, perde de 40% a 90% da vitamina B12. Soluções ácidas e alcalinas, a luz e agentes redutores e oxidantes destroem lentamente a vitamina B12.

 

Composto potentíssimo
A potência química da vitamina B12 é consideravelmente alta, isto é, pequeníssimos teores são capazes de apresentar acentuados efeitos. Quantidades de apenas algumas dezenas de microgramas são terapeuticamente ativas.


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.