Ácido Fólico

Ácido Fólico

 Ácido fólico

 

Histórico

Também conhecido como folato, folacina e ácido pteroilglutâmico, em 1938 o ácido fólico foi reconhecido como elemento essencial na nutrição de galinhas. Em 1945, Spies percebeu que a anemia macrocítica de gestantes remitia ao tratamento com ácido fólico. No ano seguinte, essa vitamina foi sintetizada.

 

Funções metabólicas básicas

- Há várias coenzimas da folacina, cuja função principal consiste em transferir unidades de um carbono para diversos compostos durante a síntese de purinas e pirimidinas de DNA e RNA, e durante as inter¬conversões de aminoácidos.

- O ácido fólico é necessário à produção normal de hemácias, participando em processos como a maturação de megaloblastos em normoblastos. As células brancas também requerem folato na sua formação.

- A histidina, aminoácido, requer folato para a sua utilização adequada.

- Quando há deficiência de ácido fólico, ocorre falha no metabo¬lismo da histidina e acúmulo de acido formino glutâmico (FIGLU), que é eliminado na urina e serve de indicador para a disponibilidade de folato no organismo.

 

Sintomas de carência

- A deficiência de ácido fólico pode resultar em anemia megalo¬blástlca, que se manifesta amiúde na gravidez, quando o requerimento desta vitamina é mais elevado.

- A falta desta vitamina acarreta também diminução do crescimen¬to, glossite e distúrbios gastrintestinais, como diarréia.
- Há uma interdependência notável entre o ácido fólico, a vitamina B12, a vitamina B6 e o ácido ascórbico em nível de prevenção de certos tipos específicos de anemia.

 

Hipervitaminose

Não há hipervitaminose registrada quanto à ingestão alimentar. O excesso medicamentoso de ácido fólico reduz a disponibilidade de vitamina B12.*

 

Necessidades nutricionais

- As RDA fixaram a quota diária de ácido fólico para o adulto em 400 mcg.

- As gestantes devem ingerir o dobro, 800 mcg/dia, e as nutrizes, 600 mcg/dia.

- A recomendação para recém-nascidos é de 50 mcg/dia; entre 1 e 4 anos, 100 mcg/dia; entre 4 e 6 anos, 200 mcg/dia; entre 7 e 10 anos, 300 mcg/dia.

- A FAO/OMS recomenda 200 mcg/dia para adultos (acima de 12 anos), 400 mcg para gestantes e 300 mcg para lactentes.

- A FAO/OMS recomenda, ainda, 40 mcg/dia para crianças de 0 a 6 meses, 60 mcg/dia entre os 7º e 12º meses e 100 mcg/dia desta idade até os 12 anos.

 

Boas fontes alimentares

O ácido fólico é abundante em folhas verdes, especialmente no espinafre, no aspargo e no brócolis (folium significa folha, donde provém o nome fólico), em nozes, oleaginosas, leguminosas, como o feijão-de-lima e o feijão-roxo, e cereais integrais.

 

Fatores de instabilidade

O ácido fólico é instável ao calor e à oxidação. A cocção pode levar à perda de 50% de ácido fólico, aproximadamente.

 

Anticoncepcionais prejudicam o aproveitamento de folato

As pílulas anticoncepcionais, ou os chamados "anovulatórios", po¬dem acarretar deficiência de ácido fólico.


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.