REMÉDIOS DA NATUREZA: DESCANSO

REMÉDIOS DA NATUREZA: DESCANSO

 Descanso

Os vilcabambas, nativos que vivem próximo à Cordilheira dos Andes, no Equador, famosos por sua exuberante saúde, recomendam, a quem deseja sentir-se fisicamente bem, que cultive hábitos como: “alimentar-se com simplicidade, acordar cedo, comer cedo e dormir cedo”.

As pesquisas médicas mostram que o sono é condição básica de saúde. Mesmo neste aspecto tão simples e primário, os costumes sociais modernos demonstram-se frequentemente perniciosos. Muitos se submetem a rotinas de trabalho em que são forçados a dormir tarde e acordar cedo, quando não têm de trabalhar durante toda a noite. Outros acostumam-se a dormir tarde e acordar tarde, passando parte da noite diante da televisão, assistindo a programas excitantes. Os jovens frequentemente varam as madrugadas em “festinhas”. Nestas ocasiões, “comes e bebes”, sons eletrizantes, drogas, danças e luxúria produzem desastrosas consequências para a saúde psicofísica, moral e espiritual.

Sono

Os estudiosos definem sono como o fenômeno caracterizado pela suspensão da consciência, diminuição do ritmo circulatório e respiratório, e relaxamento sensorial e muscular. As atividades cerebrais, bem como as funções corporais, são temporariamente diminuídas ao nível basal, com vistas à recons­tituição e reparação do organismo. O sono representa um período de descanso, sendo fisiologicamente deflagrado por sina­lizações do hipotálamo posterior, depois de certo período de atividade. Estas sinalizações agem inibitoria­mente sobre o córtex cerebral. À medida que adormecemos, nossas funções conscientes vão-se amortecendo. Sensações primárias, como visão, tato, audição e olfato, vão diminuindo. Tanto a frequência cardíaca como a respiratória caem gradati­vamente, ocorrendo paralela diminuição do oxigênio destinado ao cérebro. A primeira etapa do sono é conhecida como sono de ondas lentas, formado de quatro estágios, progressivamente mais profundos. A segunda etapa do sono é REM (“rapid eye movi­ment”), ou sono paradoxal, em que o EEG é dessincronizado como na vigília. Nesta etapa, os olhos se movem rapidamente e ocorrem os sonhos. O sono se desenvolve em ciclo regular e oscilante, passando de níveis superficiais para profundos e vice-versa. Observou-se também que o período de sono mais restaurador é o compreendido entre as 19h e a meia-noite, quando ocorre maior eliminação de produtos de degradação no metabolismo. Por isso, o hábito de deitar-se tarde é especialmente nocivo. Recomendam-se, para um adulto normal, sete a oito horas de sono por dia; para o adolescente nove horas; para os idosos e crianças até 13 anos dez horas; para o recém-nascido catorze a quinze horas.

Conselhos para dormir bem

Não comer próximo à hora de deitar. Deve haver intervalo de pelo menos três horas entre a última refeição e o sono noturno.

Não fazer exercícios físicos ou mentais extenuantes perto da hora de dormir. Também não convém assistir a programações ou ler matérias excitantes.

O dormitório deve ser adequadamente amplo e arejado. Porém, não deve haver corrente de ar. Eliminar qualquer vestígio de mofo. Não convém dormir em local com cheiro forte de tinta ou outros produtos químicos.

O silêncio e a penumbra são imprescindíveis ao sono tranquilo.

O colchão não deve ser muito mole nem muito duro. Recomenda-se ­col­­­chão ortopédico, que permite acomodação adequada das curvas naturais do corpo e a manutenção da coluna ereta. Não usar travesseiro alto e jamais dormir sobre os braços do sofá.

Neuroses — desajustes emocionais

Fobias: Enquadram-se entre as neuroses, significando temor obsessivo de uma situação externa ou de um objeto, que passa a ocupar inconscientemente o lugar de um conflito interior. Há diferentes tipos de fobia: claustrofobia (medo irreprimível de elevadores e outros recintos fechados), nosofobia (medo obsessivo de ficar doente), harpaxofobia (medo mórbido de ladrões ou assaltantes), fobia de certos animais (sapos, gatos etc.), amaxofobia (medo mórbido de viajar em qualquer veículo), anafobia (medo mórbido de poeira) etc.

Reação depressiva: Ocorre quando as pessoas buscam dissipar a angústia de um conflito interno através da depressão e auto anulação. Pode estar associada a sentimento de culpa (peso de consciência) ou pode ser resultado de acontecimentos marcantes, como a morte de entes queridos ou perdas materiais. É um tipo de neurose.

Neurose obsessiva: O paciente se sente estranhamente obrigado a realizar certos atos repetitivos e/ou absurdos, não conseguindo dominar-se. O excesso de método e exigência ao executar certas tarefas, como: lavar as mãos, limpar a casa, fechar as portas e os cadeados etc., pode constituir neurose obsessiva. O paciente às vezes procura negar a existência destes estranhos hábitos, mas se angustia ao perceber que se encontra dominado por eles.

Neurose histérica: Costuma manifestar-se de modo repentino, em situações emocionalmente carregadas, através de acessos de histeria somados a distúrbios de ordem motora, sensorial e mental. Durante as crises de histeria o paciente perde o controle de seus atos, podendo partir para a autoagressão ou para uma quebradeira. Às vezes as crises se limitam a gritos e choros intensos. Pode ocorrer perda transitória de consciência. Estes sintomas geralmente indicam intensos conflitos íntimos não revelados e requerem cuidadoso tratamento psíquico, espiritual e também físico. As más condições de alimentação associadas à vida desregrada podem criar ambiente orgânico favorável às crises.

Neurose neurastênica: O paciente se queixa de inúmeros incômodos físicos, dores em diferentes lugares, indisposição, esgotamento, falta de energia, cansaço fácil etc. Embora algumas vezes a descrição pareça exagerada, os sintomas são verdadeiros e constituem a transferência de sofrimentos mentais para o corpo. Pode haver depressão, porém, menos que na neurose depressiva. As queixas podem concentrar-se em determinado órgão ou região do corpo. O tratamento neste caso deve abranger não só a parte orgânica, mas principalmente a parte psíquica, pois a doença do corpo se origina em grande medida ali. Sabe-se hoje que incontáveis doenças têm como causa básica a angústia mental. A paz interior, que se alcança pela harmonia com Deus, é o melhor bálsamo.

Neurose de ansiedade: Caracterizada por grande instabilidade emotiva. A pessoa se sente triste, mas não sabe o por que. Geralmente a ansiedade vem acompanhada de cansaço, apreensão, irritabilidade e problemas somáticos (sintomas físicos). Acreditam alguns estudiosos que seja ocasionada por transtornos emocionais reprimidos.

Tensão e estresse: O estresse não é neurose, mas tanto pode abrir-lhe o caminho como agravar uma condição já existente. O estresse excessivo conduz a agressões psíquicas produtoras de angústia, seja pela incapacidade de resolver certos problemas, seja pela intensidade da exposição a problemas externos. Tal angústia pode provocar o que os especialistas chamam de “mecanismos psicológicos de defesa”, que por sua vez podem resultar em diferentes neuroses.

Recreação

A palavra recreação significa mais do que mero divertimento ou passatempo. Corresponde a um período de recriação, em que as energias físicas e mentais são restauradas através de atividades agradáveis e sadias. Todos necessitamos de recreação. A desgas­tante rotina de trabalhos, estudos e responsabilidades pede naturalmente parada regular para o lazer natural, momento em que o ânimo e a disposição são revigorados. Pelo menos uma vez por semana, ou algumas vezes por mês, e uma vez ao ano (nas férias) é necessário separar tempo para a recreação.

Recreação saudável

Características da recreação saudável:

Não se recomendam jogos ou brincadeiras que envolvam competição, que podem causar estresse e prejudicar o objetivo da recreação.

Recreação não significa passar o dia no bar, em rodinhas de amigos, assistindo a um jogo de futebol, tomando cerveja, jogando sinuca etc., o que não condiz com seu objetivo principal, que é promover a saúde.

Embora constitua hábito social adequado e necessário, visitar parentes e amigos não significa, no mais pleno sentido da palavra, recreação.

Mudar periodicamente de atividade também é recomendável para evitar o tédio e o estresse, mas não corresponde necessariamente à recreação.

A recreação caracteriza-se pela cessação das atividades regulares e a visita a lugar tranquilo e agradável, como bosque ou fazenda. Passear descompromissadamente por lugares diferentes e interessantes, como um shopping Center ou museu, é para muitos distração prazerosa, mas a recreação implica o contato com a Natureza e o esvaziamento mental de preo­cupações. Brincadeiras amenas e caminhadas descon­traídas podem preencher vantajosamente o tempo dedicado à recreação. Entre as sugestões de atividades recreativas, poderíamos citar: passeio a balneários limpos, não muito concorridos, camping, caminhadas através de parques, montanhismo etc. Em todos os casos é preciso atender a algumas recomendações para a recreação ideal: programar o passeio, evitar riscos desnecessários, não tomar banho em locais proibidos, perigosos ou duvidosos quanto à limpeza, zelar pela higiene ambiental, manter as crianças sob vigilância, evitar folguedos extenuantes, usar alimentos leves e saudáveis, escolher traje apropriado etc.


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.