INFORMAÇÕES SOBRE ALIMENTOS

INFORMAÇÕES SOBRE ALIMENTOS

 – CONHEÇA AS GORDURAS QUE FAZEM BEM. Seria um raciocínio simplista, e até impreciso, considerar o colesterol e as outras gorduras como inimigos da saúde. É verdade que, quando em excesso no corpo, as gorduras produzem aterosclerose, doenças cardiovasculares, obesidade e outros distúrbios. Mas pouca gente sabe que há também doenças que podem ser causadas pela situação exatamente oposta: a falta de certas gorduras na alimentação. Leia sobre o ácido graxo ômega 3, o amigo da saúde, no capítulo das gorduras.

– A LINHAÇA É RICA NO SAUDÁVEL ÁCIDO GRAXO ÔMEGA 3. O grupo dos ácidos graxos ômega 3 demonstrou-se particularmente benéfico por ser capaz de proteger-nos contra as doenças ateroscleróticas, exatamente aquele problema que os seus colegas saturados podem causar.

– O ÁCIDO GRAXO ÔMEGA 3 TEM EFEITO ANTI-INFLAMATÓRIO E COMBATE OS TRIGLICERÍDIOS – Provavelmente seja até anti-alérgico. Para estimularmos a síntese de “bons” eicosanóides, que produzirão os mencionados benefícios, e inibirmos a síntese dos “maus”, a dieta deve ser rica em ômega 3. Entre os ácidos graxos pertencentes ao grupo dos bons, os pesquisadores vêm destacando o EPA (ácido eicosapentanóico) e o ácido decahexaenóico ou DHAE.

– IMUNIDADE BAIXA? PODE SER FALTA DE PROTEÍNA. A deficiência de proteína leva a muitos problemas, como diminuição da imunidade, e pele, cabelos e unhas desvitalizados. Ovos e laticínios contêm proteínas de bom valor biológico. A combinação de cereais e leguminosas (como feijão com arroz) melhora o índice de qualidade protéica. Outras combinações interessantes do ponto de vista protéico: lentilha com arroz integral, ervilha com pão integral, ricota com pão integral, grão-de-bico com macarrão integral, leite de soja com pão integral, tofu com arroz integral. Proteína demais também não é bom. Pode provocar cálculos renais, problemas intestinais, acidose e outros distúrbios. Geralmente, o excesso de proteínas está associado à ingestão excessiva de proteína animal. Mas se você é vegetariano e ingere soja ou derivados todos dias, em quantidade liberal, poderá estar ingerindo proteína em excesso. Leite de soja é saudável, mas, tomado liberalmente todos os dias, poderá levar à acidose. Um dos sintomas desse desequilíbrio é a rachadura entre os dedos, ou vermelhidão na pele interdigital, com agravamento dos sintomas de micose ou “frieira”.

Dica: Para combater esse sintoma, suprima alimentos muito ricos em proteínas por alguns dias e faça refeições exclusivas de maçã em lugar do café da manhã e do jantar, pelo menos por uma semana.

– EXCESSO DE VITAMINA A PROVOCA ATÉ HIPERTENSÃO CRANIANA. A ingestão excessiva de vitamina A quase sempre é ocasionada pelo uso prolongado de altas dosagens de medicamentos que contenham essa vitamina. Os sintomas de hipervitaminose assemelham-se, nalguns aspectos, aos de hipovitaminose. A intoxicação aguda geralmente ocorre em lactentes e crianças, podendo provocar hipertensão no crânio, dor de cabeça forte, vômitos, agitação, febre, coma e mesmo morte. Estes sintomas simulam um tumor cerebral.

– PALMAS DAS MÃOS AMARELAS? PODE SER MUITO CAROTENO. A ingestão de muito betacaroteno (que se transforma em vitamina A no corpo) pode levar a uma coloração amarelada da pele, especialmente a das palmas das mãos. O betacaroteno está presente em vegetais e frutas de cor amarelada, como cenoura, abóbora, manga, mamão etc. Embora alguns se assustem com a cor amarela, ela não representa qualquer perigo para a saúde. Ao contrário, o betacaroteno evita o câncer e muitas outras doenças.

Dica: Para diminuir esse efeito, chamado carotenose, basta reduzir o consumo de vegetais e frutas amarelos por alguns dias (mas não suprimi-los definitivamente, pois são necessários à nutrição). Substitua-os, durante duas ou três semanas, por beterraba, maçã, banana etc.

– VITAMINA A – INDISPENSÁVEL NO DESENVOLVIMENTO. Os ossos e os dentes necessitam de vitamina A para o desenvol­vimento normal. O crescimento do organismo como um todo depende do adequado suprimento dessa vitamina, que parece encontrar-se associada à utilização de proteína, ao aumento de peso e à multiplicação celular. Segundo pesquisas em animais, a vitamina A é também indispensável à função reprodutora.

Dica:  Para suprir suas necessidades, basta usar alimentos ricos em betacaroteno, como cenoura, manga e abóbora, ou gema de ovo. Ver no capítulo da vitamina A os alimentos que a contêm.

– A VITAMINA D PODE SER PRODUZIDA NO CORPO PELA EXPOSIÇÃO ADEQUADA AO SOL. Em regiões onde há pouco sol, o raquitismo, doença provocada pela deficiência desta vitamina, é mais comum.

Dica: Exponha-se ao sol só até as 9 ou 10 horas da manhã, e a partir das 4 da tarde. Se a sua pela é clara, é preciso acostumar-se aos poucos. Cuidado, sol demais pode provocar câncer de pele, além de envelhecê-la precocemente. Use sempre filtro solar.

-VITAMINA OU HORMÔNIO? Alguns pesquisadores salientam a identidade entre a vitamina D e os hormônios, sugerindo que essa substância, considerada até então uma vitamina, trata-se, na realidade, de um hormônio.

– A VITAMINA E PROTEGE AS VITAMINAS A e C. A vitamina A e a vitamina C são protegidas da oxidação pela vitamina E. As membranas celulares são salvaguardas, através da ação antioxidante da vitamina E, contra a deterioração causada pela peroxidação de lipídios.

– A VITAMINA E NOS PROTEGE CONTRA NUMEROSAS DOENÇAS. Dado seu poderoso papel antioxidante, a vitamina E nos protege contra o câncer, a aterosclerose e muitos outros distúrbios degenerativos.

– O GERME DE TRIGO É UMA DAS FONTES MAIS RICAS DE VITAMINA E – O germe de trigo e seu óleo são, tradicionalmente, as melhores fontes conhecidas de vitamina E. Não obstante, essa vitamina encontra-se tão largamente distribuída pelos alimentos naturais que é difícil ocorrer carência específica. Os óleos vegetais são ricos em vitamina E, bem como a gema do ovo, os vegetais folhosos e os legumes. Os alimentos animais são, em geral, pobres nessa vitamina.

– A VITAMINA E NÃO É INDICADA CONTRA A “IMPOTÊNCIA” – Ela é necessária à normalidade da função reprodutora, o que não quer dizer que seja indicada contra a impotência, ou para melhorar o desempenho sexual, como popularmente se acredita. Em animais foi verificada a esterilidade como conseqüência direta da falta de vitamina E. Na deficiência não muito severa de vitamina E, nasce uma ninhada de ratos enfraquecidos, com poucas chances de sobrevivência.

– ANTIBIÓTICOS COMO A SULFA PODEM LEVAR À CARÊNCIA SECUNDÁRIA DE VITAMINA K. A deficiência de vitamina K produz hemorragias. Ora, como essa vitamina é sintetizada principalmente pela microbiota do intestino (flora intestinal), e alguns antibióticos (como a sulfa) prejudicam essa flora, depois da antibioticoterapia é importante fazer um tratamento de recomposição da flora.

Dica: Tomar em jejum, todos os dias, um copo de iogurte natural, que ajudará a repor a flora. Isso, é claro, além das medidas que seu médico recomendar.

NERVOSISMO? A VITAMINA B1 PODERIA AJUDAR. Embora nem sempre o nervosismo seja causado pela falta de vitmina B1, sabe-se que a carência desse nutriente, mesmo que sutil, prejudica a função psíquica e neurológica, deixando o paciente irritado.

Dica: A levedura de cerveja é a fonte natural mais rica desta vitamina.

– A VITAMINA B2 É IMPORTANTE PARA A VISÃO – Para uma visão saudável, não basta a vitamina A, cuja carência, conforme foi mostrado em estudos, pode levar a  manifestações oculares, como aversão à luz (fotofobia), cegueira noturna, tensão e fadiga ocular, ardor nos olhos, vascularização na córnea, conjuntivite angular e ambliopia (redução da visão). Em animais foi demonstrada uma relação entre a carência crônica de riboflavina (a vitamina B2) e a catarata.

Dica: Vegetais folhosos de cor intensa, leguminosas, gema de ovo, leite fresco e requeijão são exemplos de boas fontes alimentares de riboflavina, pertencentes à linha lacto-ovo-vegetariano-naturista de dieta.

– POR QUE O LEITE É ACONDICIONADO EM SACO OPACO? Em duas horas de exposição à luz, o leite pode perder cerca de 50% de seu conteúdo de riboflavina; por esse motivo, o leite deve ser acondicionado em saco plástico opaco ou em caixas descartáveis.

– VITAMINA B3 (NIACINAMIDA) – SUA FALTA PRODUZ DEPRESSÃO – Juntamente com a vitamina B1 e B2, a niacinamida é importantíssima para o metabolismo energético. Sua deficiência provoca, além de depressão, dermatite, diarréia e demência (doença dos três “d”, ou pelagra), tremores, cefaléia, insônia, alucinações e língua amarga.

Dica: Os cereais integrais, a levedura de cerveja, o amendoim, as leguminosas, as nozes, os ovos e o leite são fontes de niacinamida (vitamina B3) indicadas pelo sistema lacto-ovo-vegetariano de alimentação.

– VITAMINA B6 – SUA FALTA AUMENTA A POSSIBILIDADE DE CÁLCULOS RENAIS. A vitamina B6 é polivalente. Tem numerosas funções no corpo. Entre outras coisas, pode ajudar no combate aos cálculos renais.

Dica: A semente de girassol, a levedura de cerveja, o germe de trigo, os grãos de cereais integrais, as leguminosas, a batata, a banana e a farinha de aveia são boas fontes alimentares de vitamina B6, incluídas no programa de alimentação lacto-ovo-vegetariano-naturista.

– TENDINITE? A VITAMINA B6 PODE AJUDAR. Mais recentemente observou-se que a ingestão suplementar de vitamina B6 pode ajudar no combate a tendinites e a neurites, em associação com o magnésio e a vitamina B12.

Dica: Converse com seu médico a respeito da possibilidade de uma suplementação, ou use alimentos ricos nesta vitamina, como a semente de girassol, que só lhe farão bem.

– PÉS FORMIGANDO? PERNAS CANSADAS DEPOIS DE UMA VIAGEM? A VITAMINA B12 PODE AJUDAR. Para certos distúrbios neurológicos, neurites e dores no corpo, a vitamina B12 é receitada pelo médico. Formigamento nos pés podem ser indício de que seu corpo precisa desta vitamina, tão importante para a transmissão do impulso nervoso a zonas remotas, pois está envolvida com a síntese da bainha de mielina, capa que envolve certas fibras nervosas e as protege.

Dica: Converse com seu médico para que ele constate esta possibilidade. Geralmente são necessárias doses elevadas desta vitamina, ou sua aplicação por via parenteral, que só seu médico poderá receitar.

– ÁCIDO FÓLICO – O MAIS NOVO AMIGO DO CORAÇÃO – Juntamente com a vitamina B12 e a vitamina B6, o ácido fólico nos protege contra os efeitos deletérios da homocisteína elevada no sangue, que parece fazer tão mal quanto o colesterol. Esta é uma descoberta recente.

Dica: O ácido fólico (folium significa folha, em latim, donde provém o nome fólico) é abundante em folhas verdes, especialmente no espinafre, no aspargo e no brócolis, nas nozes, nas oleaginosas, nas leguminosas como o feijão-de-lima e o feijão-roxo, e nos cereais integrais.

– PÍLULAS ANTICONCEPCIONAIS PODEM PROVOCAR CARÊNCIA DE ÁCIDO FÓLICO. As pílulas anticoncepcionais, ou os chamados “anovulatórios”, po­dem acarretar deficiência de ácido fólico.

Dica: Se você usa contraceptivos orais, converse com seu médico sobre a possibilidade de usar suplementos desta vitamina. Mas nada impede que você ingira alimentos que sejam fonte da mesma, como espinafre, aspargo e brócolis, nozes, oleaginosas, leguminosas como o feijão-de-lima e o feijão-roxo, e cereais integrais.

– A FALTA DE ÁCIDO FÓLICO PRODUZ ANEMIA. Juntamente com a vitamina B12, o ácido fólico é importante na divisão celular. Sua deficiência produz anemia megaloblástica.

– O ÁCIDO FÓLICO É DESTRUÍDO PELO COZIMENTO. Por isso é importante que os alimentos verdes e crus façam parte diária da alimentação. Mas é importante lavá-los muito bem.

Dica: Deixe-os de molho em hipoclorito de sódio. A dosagem está no rótulo do produto à venda em farmácias.

– O ÁCIDO FÓLICO EVITA MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS. Por isso, a gestante precisa criticamente desse nutriente.

Dica: Converse com seu médico sobre a conveniência de usar suplementação no seu caso.

– CLARA DE OVO CRUA PODE PROVOCAR CARÊNCIA DE BIOTINA (UMA VITAMINA DO COMPLEXO B). A carência de biotina pode ser induzida em seres humanos e animais através da administração de uma dieta que forneça grande quantidade de clara de ovo crua. A clara de ovo contém uma proteína, a avidina, que dificulta a absorção da biotina e provoca o estado carencial, que nos animais se manifesta como dermatite seborréica, depilação, lassidão, anorexia e diminuição do controle muscular.

–  VOCÊ USA SUPLEMENTOS DE VITAMINA C? A vitamina C é um importante antioxidante, protegendo-nos contra o estresse oxidativo – condição que precede o câncer – doenças neurológicas, doenças cardiovasculares etc. Mas o organismo tenta ajustar-se ao excedente de vitamina C aumen­tando a taxa de catabolismo. Quando, nesta situação, a ingestão de vitamina C é diminuída e trazida ao nível normal, ocorrem sinais de escorbuto, pois o metabolismo demora algum tempo para voltar à normalidade. Alguns estudos sugerem que o excesso de vitamina C pode provocar desordens no metabolismo ósseo, na altura da utilização de cálcio e fosfato pela matriz óssea.

Dica: Prefira alimentos ricos em vitamina C. As frutas cítricas são a fonte mais conhecida de vitamina C, destacando-se o limão. O morango, o melão, a cereja-do-pará, o caju, a manga, entre outras frutas, também são ricos em vitamina C. Entre as hortaliças, destacam-se pimentão (principalmente o amarelo), bertalha, brócolis, caruru, couve, nabo e outras. Das frutas, as mais ricas em vitamina C, atualmente muito em voga, são a acerola e o camu-camu.

– SEM ÁCIDO NO ESTÔMAGO, A ABSORÇÃO DE CÁLCIO É PREJUDICADA. A falta de ácido do estômago (hipocloridria), prejudica a absorção de cálcio.

Dica: Se você tem hipocloridria (pouco ácido no estômago), tome um pouco de vinagre de maçã antes das refeições, algumas gotinhas em um pouco de água. A hipocloridria ocorre muitas vezes na terceira idade e os sintomas são os mesmos da hipercloridia (excesso de ácido no estômago). Para diferenciar uma da outra, seu médico poderá solicitar uma pH-metria, exame que mede o grau de acidez no estômago.

– EXERCÍCIOS FÍSICOS PREVINEM OSTEOPOROSE. Os exercícios físicos ajudam a fixar o cálcio nos ossos. Quem é muito sedentário sofre com mais facilidade de osteoporose.

– ANTIÁCIDOS PROVOCAM PERDA DE FOSFATOS. A deficiência de fosfato pode ser causada pelo emprego excessivo de antiácidos, pelo hiperparatireoidismo, pelo alcoolismo, pelo trata­mento de acidose diabética e por outras situações.

Isso quer dizer que quem usa muito anti-ácido por causa da azia pode sofrer deficiência de fosfato.

Dica: Mastigar melhor os alimentos, evitar as frituras e empregar chás que combatam a acidez como a espinheira-santa. É preciso descobrir a causa da azia e tratá-la. Procurar um médico.

EXCESSO DE PROTEÍNA LEVA À PERDA DE CÁLCIO. Excesso de proteína na alimentação, como se verifica freqüentemente na dieta norte-americana, leva à maior perda de cálcio e a um risco aumentado de cálculos urinários.

Dica: Ingira o suficiente de proteínas, que são indispensáveis. Mas abstenha-se de lanches ligeiros à base de hambúrguer, coxinhas, queijo etc., que representam grande inconveniente para sua saúde, e que podem sobrecarregar o organismo com proteínas e gorduras animais.

– A SOJA PODE FAZER MAL. Alguns consideram a soja como boa fonte de cálcio, o que não é realidade em vista do seu alto teor de ácido fítico, que diminui o aproveitamento deste mineral.

Dica: Use soja e derivados, mas sem excessos. Isso quer dizer não usar diariamente e, quando usar, osbervar a regra da moderação.

– QUANDO O PÃO SEM FERMENTO PRODUZ MÁ NUTRIÇÃO.  Pão sem fermento é saudável, mas não deve ser usado sempre, pois contém ácido fítico, que diminui a absorção de vários minerais.

Dica: Por isso é conveniente variar com o uso de pão preparado com fermento biológico. A fermentação de cereais, como o uso de fermento biológico em pães, converte o fósforo do ácido fítico em ortofosfato, diminuindo seu efeito antiabsortivo.

– EXCESSO DE SAL FAZ MAL. E A FALTA DE SAL? A falta de sal no organismo é rara. Apenas situações esporádicas de vômitos, diarréia ou excessiva transpiração associada à fase de adaptação a um clima quente e seco podem justificar o uso extra de sal colocado em pequena quantidade sob a língua, somado à ingestão de água. É mais comum a ingestão excessiva de sal, prejudicial à saúde por favorecer o desenvolvimento de hipertensão arterial, especial­mente em indivíduos predispostos.

Os sinais clínicos da carência de sal (cloreto de sódio) são vômitos, náuseas, cefaléia, fadiga, fraqueza muscular, dor nas pernas, cãibras abdominais, pele enrugada, olhos encovados, bochechas deprimidas, confusão mental, hipotensão arterial e taquicardia.

– ALIMENTOS QUE ESCONDEM O SAL. Se você sofre de pressão alta, com certeza já recebeu de seu médico a orientação de diminuir o sal da comida. Mas isso pode não ser suficiente. Os produtos animais, particularmente as carnes e o leite, contêm alto teor de sódio. Cuidado também com as conservas, as massas, os biscoitos, os embutidos e os doces. Até os doces podem esconder sal em sua composição!

– QUEM SOFRE DE INSUFICIÊNCIA RENAL TEM QUE TER CUIDADO COM O POTÁSSIO. Pacientes de insuficiência renal devem controlar o potássio que ingerem pela alimentação. Como seu rim está doente, o potássio pode não ser eliminado suficientemente, e aumentar no sangue. Isso poderá ocasionar até uma parada cardíaca! Por isso, alimentos ricos em potássio, como banana, laranja, azeitona, etc., geralmente são proibidos neste caso. A dieta deste paciente deve ser cuidadosamente monitorada por um especialista.

– CABELOS RALOS? UNHAS FRACAS? PODE SER FALTA DE ENXOFRE OU DE PROTEÍNA. A queratina, proteína constitutiva da pele, das unhas, dos cascos e pêlos, contém enxofre. Uma dieta pobre em proteínas será também pobre em enxofre. Por isso, quem sofre de deficiência protéica terá cabelos ralos e sem vitalidade, e unhas quebradiças.

Dica: Para enriquecer sua dieta com proteínas de excelente qualidade, use ovo (de preferência caipira) sempre cozido, uns três ou quatro por semana, desde que não haja contra-indicações. Animais de pêlo denso (como o urso) e casco (como a tartaruga) requerem mais enxofre.

– SEM ENERGIA? PODE SER FALTA DE MAGNÉSIO. A carência de magnésio é relativamente comum, e pode manifestar-se através de falta de energia (cansaço crônico), fraqueza muscular e alterações dos batimentos cardíacos. Ingerir suficiente magnésio é bom para evitar doenças cardíacas e musculares. Quem usa bebida alcoólica sofre mais freqüentemente de falta de magnésio. Alta ingestão de cálcio, proteína, vitamina D, também eleva a necessidade de magnésio, sendo portanto imprópria à sua adequação.

Dica: O magnésio é encontrado em vegetais de cor verde intensa, como o brócolis, e em cereais integrais.

– O QUE AUMENTA A ABSORÇÃO DO FERRO. Alguns fatores podem aumentar a absorção de ferro, como o meio ácido (adequada produção de ácido clorídrico ou ingestão simultânea de alimentos ricos em vitamina C).

Dica: Use alimentos ricos em ferro com alimentos ricos em vitamina C. Por exemplo, sanduíche de pão integral com tahine e saladas cruas (entre as quais o pimentão cru, que é rico em vitamina C).

– O QUE DIMINUI A ABSORÇÃO DO FERRO. Outros fatores podem diminuir a absorção de ferro, como o uso freqüente de antiácidos.

Desordens intestinais provocadas pela Giardia lamblia (protozoário) e a hipermotilidade intestinal diminuem a absorção de ferro devido, à diminuição do tempo ou superfície de contato útil com a mucosa.

– MUITA FIBRA PROVOCA DESNUTRIÇÃO. A fibra é essencial, mas fibra demais provoca hipermotilidade intestinal, e diminui a absorção de nutrientes.

Dica: Use cereais integrais, frutas e hortaliças frescas em abundância. Corte o açúcar, os doces e os cereais brancos. Evite farelos. Só os use em pequena quantidade ou por tempo limitado.

– FERRO DEMAIS FAZ MAL. O excesso de ferro favorece processos oxidativos. Através da reação de Fenton, gera radicais livres, favorecendo o desenvolvimento do câncer, desordens cardiovasculares, distúrbios hepáticos e estresse oxidativo.

Dica: O médico deve acompanhar cuidadosamente e limitar o tratamento com suplementos férricos contra a anemia.

– FLÚOR DEMAIS NA ÁGUA PREJUDICA OS DENTES. Um pouco de flúor na água é bom, pois evita problemas dentários. Mas quando a concentração de flúor na água potável é excessiva, ultrapassando 1,5 ppm (partes por milhão), podem surgir sintomas de intoxicação, que requerem anos para se manifestar. No oeste dos Estados Unidos, em certas regiões do Texas, a água às vezes contém de 10 a 45 ppm de fluoreto, o que acarreta fluorose dentária endêmica, condição caracterizada por manchas escuras no esmalte do dente.

– VOCÊ TOMA CORTICÓIDES? TALVEZ PRECISE DE ZINCO SUPLEMENTAR. Tratamentos com córtico-esteróides provocam rápi­da queda de zinco no sangue. Converse com seu médico sobre a eventual necessidade de suplementar este mineral.

– O ALCOOLISMO AUMENTA A PERDA DE ZINCO. – O alcoolismo provoca hiperzincúria (eliminação excessiva de zinco pela urina), podendo precipitar o estado de carência. O alcoolismo, aliás, leva a uma carência nutricional generalizada, seja pela diminuição da ingestão ou pelo aumento das perdas.

– PÃO INTEGRAL, FONTE DE ZINCO. O pão integral contém até três vezes mais zinco do que o pão branco.

– A FALTA DE COBRE PRODUZ ANEMIA. – A deficiência de cobre interrompe o metabolismo do ferro quando este deve ser mobilizado da ferritina com o auxílio da ceruloplasmina, instalando-se a anemia.
Dica: As nozes, as leguminosas, os cereais integrais e as frutas secas são geralmente boas fontes de cobre.

– O LEITE DE VACA É POBRE EM FERRO E COBRE. Mas o leite humano contém todos os nutrientes necessários ao bebê nos primeiros meses de vida. O leite de vaca não pode ser considerado boa fonte desses minerais, embora seja rico em cálcio. Ao desmamar, a criança não deve tomar apenas leite de vaca. O desmame, aliás, deve ser feito aos poucos. Até o sexto mês, só leite materno. Daí, até dois anos de idade ou mais, introduzam-se aos poucos outros alimentos, mas o leite materno pode e deve continuar figurando no cardápio. Este é o ideal para a saúde da criança, embora nem sempre seja o ideal para as conveniências da mulher moderna.

– CRIANÇA QUE SÓ TOMA LEITE DE VACA PODE SOFRER DE DEFICIÊNCIA DE COBRE. Recém-nascidos cuja dieta é baseada em leite de vaca podem desenvolver carência de cobre, que se manifesta através de anemia.

– FALTA DE COBRE E ZINCO DIMINUEM O PALADAR. A diminuição da acuidade gustatória pode ocorrer tanto na deficiência de zinco como na de cobre.

– O IODO É INDISPENSÁVEL NO DESENVOLVIMENTO. Pessoas que moram longe do litoral, em regiões remotas, podem ter bócio por falta de iodo na alimentação. Nos países mais desenvolvidos, esse problema é raro, pois o iodo é adicionado ao sal, e há muitos alimentos de procedência litorânea, ricos em iodo. Esse mineral, que regula o metabolismo através do hormônio tiroideano tiroxina, é indispensável ao desenvolvimento das crianças. Se faltar, poderá haver não só prejuízo para o crescimento, mas retardo mental. Felizmente, esses distúrbios são cada vez mais raros.

– JÁ OUVIU FALAR EM ALIMENTOS BOCIOGÊNICOS? Certos alimentos contêm substâncias ativas capazes de interferir na utilização de iodo e provocar bócio simples. São exemplos desses alimentos o repolho e outras plantas do gênero Brassica, a couve-flor, a couve, o amendoim, o nabo e as rutabagas. Mas, ainda assim, você pode comer tranqüilamente esses alimentos, pois seu consumo normal não provoca qualquer efeito adverso. Apenas o consumo exclusivo ou excessivo poderá revelar ações antitireoideanas. O cozimento, além de tudo, inativa os bociogênicos.

– CROMO – MINERAL IMPORTANTE NA PREVENÇÃO DO DIABETE MELITO. Parte de um grupo de diabéticos que receberam suplementação de cromo apresentou melhora nos testes de tolerância à glicose.

Dica: Entre as boas fontes alimentares, destacamos os cereais integrais, a levedura de cerveja e o fermento biológico.

– SELÊNIO PROTEGE CONTRA CÂNCER E DOENÇA DO CORAÇÃO – Pacientes cancerosos exibem baixa taxa de selênio no sangue. Segundo dados estatísticos, a incidência de câncer é menor em regiões em que os alimentos são mais ricos em selênio. Foi também sugerido que a deficiência de selênio e vitamina E poderia favorecer o desenvolvi­mento de doença coronária.

Dica: Os cereais integrais e a cebola são boas fontes de selênio, especialmente quando cultivados em terrenos que contenham concentração elevada desse mineral. O cozimento, a lavagem e o armazenamento diminuem o teor final de selênio no alimento.

– O MANGANÊS É IMPORTANTE PARA O METABOLISMO ENERGÉTICO – Este mineral é necessário à atividade de enzimas como a arginase, relacionada à síntese de uréia, e a piruvato-carboxilase, ligada ao metabolismo energético.

Dica: Os alimentos de origem animal são fontes pobres de manganês. Ele está presente em teores apreciáveis em alimentos como cereais integrais, aveia, farelo de trigo, leguminosas, nozes, alho, folhas de beterraba, alface, abacaxi e morango. Muitas frutas e vegetais têm a sua concentração de manganês diretamente dependente do teor do solo.

– O VANÁDIO PROTEGE CONTRA DOENÇAS CARDÍACAS – Estudos apontam para o fato de que o vanádio pode estar estreitamente relacionado ao metabolismo dos lipídios, segundo Hopkins e Mohr. Animais experimentais com dietas deficientes em vanádio apresentam altos níveis séricos de colesterol e triglicerídios.

Dica: Uma dieta refinada e beneficiada é pobre não só em vanádio como também em outros elementos-traços.


Programa Saúde Total

Levando informações aos ouvintes sobre saúde e qualidade de vida, valorizando os benefícios da natureza: ar puro, atividade física, água, luz solar, alimentação, repouso, abstinência e muito mais.